terça-feira, 12 de maio de 2009

Um anjo me visita.



 

            Hei, psiu! Preciso te contar. Sabe quem me visitou certa noite? Meu anjo. Visitava-me sempre. Tão lindo tão cheiroso. Dormia comigo, me protegia, me abraçava, me beijava... mas... Naquela  noite, ah! Essa noite foi diferente das outras.

            Escuro. Penumbra proveniente da janela. Escuro, mas eu estava vendo, meus olhos estalados eram perceptíveis. Minha ansiedade me deixava ofegar, cadê ele? Não vem esta noite? Toquei meus lábios, sentido falta de sua boca.  Arrumei meu cabelo pela vigésima vez. Respirei fundo, como para me preparar para sua chegada. Demorava esta noite. Os minutos eram longos, e os segundos pareciam não passar. Vire para o lado, quase desistindo. Seu cheiro invadiu meu olfato. Seu toque domou o meu corpo. Me senti protegida de novo.

            Ele estava quieto, silêncio. Pensei que houvesse algo de errado. Ia perguntar. Abri a boca, tomei fôlego...

-         Shhhhhhhhh! Não pergunte. Só me abrace.

Abracei, senti uma lágrima escorrer por entre meu pescoço e meu ombro.

Abracei como uma mãe abraça seu filho, abracei como uma amiga que dá apoio, abracei como se o mundo girasse por causa disso, abracei como se a vida daquele anjo dependesse de mim. Abracei como uma mulher abraça o homem que a protege, como o homem  a quem ela deve proteger, como o seu anjo.

            Suas lágrimas cessaram. Seu coração palpitante. Seus olhos brilharam mesmo no escuro. Senti sua alma. Estava atrelada a minha pelo infinito naquele instante.

            Sorriu, doce, singelo. Puro!

            Tocou em meus cabelos, como seda. Massageando, passou suas mãos de anjo pela minha nuca, pelas minhas costas. Eu estava de bruços, e ele se aproveitou bem disso. As costas de sua mão percorreram meu corpo inteiro, parando em cada curva feminina. Ao chegar nos pés, tratou-me como rainha, e me fez sentir nas nuvens. Beijou cada centímetro da minha perna. E foi subindo vagarosamente. Passou sua mão em cada ponto que ele conhece do meu corpo. Deitado sobre mim beijou cada pedacinho das minhas costas nuas, abraçou-me como nunca. 

            Puxou-me de joelhos para junto dele. Colocou sua mão delicada em meus seios. Deslizou uma até meu sexo. Queria me seduzir. E estava conseguindo. Com brutalidade, mas não menos carinho, virou-me depressa e se atirou em cima de mim. Beijou-me. Pescoço, colo, seios, barriga... desceu, devagar como sempre. Saboreou-me, me deixando cada vez com mais vontade dele.

            Levantou-se... e sumiu.

            Tenho sonhado com ele nos últimos 4 meses. Toda noite penso que ele vem me ver. Mas nada acontece. Meu anjo, meu protetor, minha enciclopédia de vontades e desejos. Meu sonho. Ou...

            Apenas um anjo que certa vez me visitou...

 

(KS)                 (14/03/2009)  

Nenhum comentário: