terça-feira, 16 de novembro de 2010

Para você, rapaz!


você me usa e me joga fora .o.
abusa de mim e diz que me adora
tô cansada! cai fora.

cansei de procurar em você e nada ver.
o estúpido cupido, errou dessa vez...
vou te fazer o que me fez.
de repente, mudo de ideia
a vingança, só a estilo de Medéia...

quero comer sua carne e me deliciar com o sangue...
vou te detruir rapaz...
e te prometo...
nunca mais te deixar em paz!


Kika 05/11/10

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Me perdoe se não fui o sonho que imaginou,
me perdoe se sou imperfeita;
faço as coisas tentando acertar.
Não me perdoe por te magoar,
não mereço tal esforço.

Mas eu é que não te perdôo por jogar,
por mentir e enganar, por bajular e não se entregar.
Pedi, certa vez, que me ensinasse a amar.
Se recusou. Agora não me culpe,
guarde seu mau-humor e ...
quem sabe possa a outra ele mostrar.

Mesmo assim, sinto sua falta.
Inevitável.

Kika

O sonho do Era uma vez...

Por que sonhamos com começos infelizes e finais perfeitos? Por que tentamos achar semelhança com nossas infames vidas quando assistimos a filmes, peças teatrais ou lemos um livro? Por que buscamos sempre uma fuga da nossa própria realidade, acreditando que no fim, as coisas ficarão bem, independente dos esforços?

Desculpe, senhor leitor tolo e idiota. As coisas vão terminar péssimas. As coisas tendem a piorar a medida que você avança. E não, não vai aparecer seu príncipe encantado. Ele não vai te fazer crer em coisas que nunca acreditou! Esqueça...

O que acontece é a aceitação. Você vai chegar ao fim da vida e pensar “cumpri minha missão” MENTIRA! Você poderia ter feito melhor, e sabe disso. Apenas não quer admitir isso como seu ultimo pensamento. Admitir que na verdade foi um fracasso. Admitir que na verdade um ser superior e infinitamente bondoso não existe, e que a partir dali você irá sumir. Afinal, a sua essência morrerá com o corpo. Você não vai admitir. Pois humano fraco e previsível que é, irá sempre buscar aquilo que obviamente é refutável, e que jamais pode ser verdade. Mas que infelizmente é o mais fácil de se conviver.

Kika

domingo, 10 de outubro de 2010

ligar ou não ligar, eis a questão...
ou a questão seria me arrepender do que fiz ou não?
me perdi onde a linha tange o inimaginável.
como posso ser tão ignorante a ponto de não perceber o bem que me fez?
não. não. definitivamente não.

Eu ERA feliz em certa época.
pena que o conhecimento é inversamente proporcional a felicidade...
e que o amadurecimento é equivalente a solidão.

quando descobrimos que os "Não sei's" são mais relevantes que as certezas...
aí nos deparamos com aquilo que é sólido

kika
13/8/2010

Carta para Alguém.

Quinta-feira, 02 de Setembro de 2010.

É difícil parar um minuto do seu dia agitado para ver o sol em esplendor todo; para observar a elegância da lua com seus refletores feitos de estrelas; para perceber que o entardecer a cada dia é mais tarde, pois logo chegará o verão, e que o amanhecer é cada dia mais cedo, pois mais tempo o sol quer dar a você.

Quantas vezes não sonhamos em descansar nas tardes fresquinhas do fim de inverno, deitados em redes e apenas observar os minutos passarem, cada segundo meticulosamente medido.

É numa tarde como esta que te escrevo. Estou deitada na minha rede, observando o sol se esconder por trás dos prédios. Observando o vento que balança levemente o tecido da cortina.

(...)

Um grande poeta já dizia que nós começamos a morrer quando nascemos. Eu concordo com ele, e é por isso que eu te aconselharia inúmeras vezes não deixar coisas não feitas para trás; por medo ou insegurança. Mas que sou eu para dizer isso?

(...)

O que eu realmente desejo é que você encontre seja lá que procura, e que faça disso o melhor que puder.

(...)


Com Carinho,

Kika

Pensamentos avulsos

"quer ser a minha chuva?
quer ser o meu sol e o meu vento?
não diga que não, não aguento.
quer ser meu oásis, minha invenção?
quer ser sempre você, no meu coração?"
by Kika,


30-9-2010

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

poderia ser pior!

tudo poderia estar pior,
eu poderia ter sido estuprada
eu poderia estar numa cadeira de rodas,
tetraplégica ou amputada,
eu poderia ser ignorante e pobre
eu poderia ser astróloga ou lixeira,
sim, as coisas poderiam piorar.
Mas não pioram, aí eu reclamo e não me entendem...
Acho que vou começar a escrever,
o que pode indicar mais decadência do que escrever?
todo os bons escritores vieram da merda e morreram na merda.
será que afinal uma vida de merda tem lá suas vantagens?


kika
28/05/10

O amigo

Precisa se apaixonar,
me disse o amigo certa vez.
o amigo está amando, mas outrora
fora ele o pessimista e o mau-humorado
agora invertemos os papéis,
é gostoso me sentir na pele alheia.
Pra você também, amigo ?

Kika 28/5/10

Moça simplória


Certa vez conheci uma jovem. Bonita até. Graciosa. Envolvente. Sexy. Deixava-me louco de tesão. Pena ela não saber conversar. Ah! Uma boa conversa teria nos rendido alguns anos de relacionamento. Mas só o sexo nos rendeu algumas poucas semanas. Enjoei-me fácil da tal. Tão simplória. Tenho pena dela no fundo. As asneiras que falava... certa vez até pensei que fosse proposital. Mas então percebi que ela fazia porque achava que aquilo realmente seria bem aceito, digo, que o que foi dito tivesse pertinência.

Misteriosa não é a palavra certa, se fosse teria me instigado. Mas ela não era boa o suficiente para isso. Como disse e repito, simplória como só ela. As coxas torneadas e as risadas não puderam me encantar mais que algumas semanas, então fugi. Não, não fugi do modo tradicional. Não peguei minhas coisas e me mudei. Eu fugi dela, só. Perdemos o contato, ou eu fiz questão de apagar, não lembro ao certo.

Mas o fato é que encontrei-a anos depois. Já não era simplória e já não tinha o ar de inocência de garota. Ela virara uma bela mulher. E que mulher!

(...)

Durou uma semana, aí acordei no meu apartamento. Vazio. Ela levara todos os móveis e roupas. Ri de minha própria ingenuidade.


por Kika (15/abril/2010)
sob pseudônimo masculino

quinta-feira, 18 de março de 2010

a música

a volta da melancolia
da solidão, da depressão.
que vida, que ironia
tudo não passa de um carrossel
que gira, gira, mas sempre sob o mesmo céu

as músicas retornam,
as lembranças que seguem
não ouço mais música,
apenas a trilha sonora de uma época

é estranho pensar,
repassar,
esquecer,
e deixar-se esvaecer

é estranho retornar ao ponto inicial,
e ver a volta toda para ter chegado ali.
apenas é comovente ver tudo de novo,
como num filme em câmera lenta
ou como num trailer antigo.

é cansativo viver depois de um tempo.



de repente, a música se agita,
e tenho vontade de sair da cadeira,
chorar, sorrir, correr atrás de algo que não existe,
subir nas mais altas montanhas apenas para ver o sol,
descer até o mais profundo dos vales
só para ter a sensação de missão cumprida,
de abraçar alguém que me diga
"tudo ficará bem"!

12/03/2010
kika

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Quem me dera

é no laço
donde vem o passo
tanto faz
enlouqueço com a falta de rima
quem me dera tal dia
ser dia e noite
noite e tarde
tarde e sempre
quem me dera amanhã
ser sua tarde, sua manhã
quem me dera ontem
ter sido seu par, seu lar
que me dera um dia
para mim, direcionado seu olhar
fico a sonhar

kika 02-02-2010

Mini poema v1


a pergunta
o desabafo
o sonho acompanha o ato
tudo junto no espaço
o telefone toca
desperta no ato
tempo infinito
no infinito te mato

Kika 02-02-2010

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Uma noite dessas

Ele se virou. Ela estava ali, a sua direita. Os olhos de menina se fecharam por timidez e suas bochechas altas ergueram-se formando um rosto de boneca. O contato foi inevitável. O beijo aconteceu.

Ela sabia que deveria aquiescer ao pedido urgente dos lábios do garoto. O corpo dela pedia pela resposta. As línguas se encostaram e o enlace estava feito. Ela não queria mais parar. Ele parecia mais animado a cada segundo.

A esperteza das mãos dele era quase comparável a pressa dos beijos dela ao redor da nuca. Ela sentia calor, e ele sentia mais vontade de se aconchegar ao corpo de mulher. Os braços ligeiros do rapaz não demoraram a tentar penetrar o escudo de inocência dela. Ergueu sua blusa branca, mas ela, por vergonha ou falta de intimidade não deixou continuar. Ele esgueirou o braço por detrás das costas e com um puxão forte e macio fez encostarem-se os corpos levemente ofegantes.

Os beijos se alternavam entre fracos e fortes, e as carícias aumentavam. Ela passou várias vezes os dedos por entre a nuca e o couro cabeludo com cabelo recém raspado. Ele apressava a respiração ao movimento perspicaz da garota.

Porém, ambos sabiam que em poucos instantes não estariam mais juntos. Os beijos se apressaram ao sabor de despedida. E a noite seguiu longa e sonhadora, cada um seguiu seu rumo.

Kika

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Desabafo

Sabe aqueles dias nos quais tudo que você quer é alguém do seu lado eternamente só para te ouvir reclamar de sua vida sem dar um pio? É assim que estou. Meio vazia, meio sem direção, meio morta.

E então você guarda suas roupas passadas no armário e de repente vem o pensamento de quando usará seu vestido de festa de novo. Será que logo?

É aí que torce para aquele garoto tosco que conheceu te chamar para sair ou dançar. Mas percebe que até ele tem algo melhor para uma sexta á noite.

Para completar sua melancolia, a lista do seu Windows Media Player toca músicas românticas, as mesmas músicas com as quais você sonhava ouvir junto de alguém quando mais nova. Um ano depois, está na mesma, apesar do ano tumultuado.

E mesmo assim aquele alívio te envolve e você se culpa por não ter feito mais, apesar de ter feito o que podia.

Abandona-se na cadeira e fixa os olhos na parede por minutos, horas. Levanta, desliga o computador e vai para sua cama, sem conseguir derramar uma lágrima que seja.

Quando tudo parece que está para acabar, descobre que não está cansada, retorna ao que fazia nas férias anteriores e assiste Lost, Intercine, Corujão. O sono vem, e com ele sonhos conturbados e insetos gritando na sua janela.

Dorme.